O deputado Robério Negreiros (PSD) parabeniza atitude do governador Ibaneis Rocha (MDB),  que zerou o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) de 81 medicamentos de combate ao câncer. A renúncia ao imposto, que foi publicada nesta terça-feira (20), ultrapassa R$ 5 milhões e vai garantir economia a pacientes e também ao GDF



Por determinação do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), a partir de agora, pacientes que comprarem medicamentos para tratamento de câncer pagarão menos. Foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira (20) o decreto do governador em exercício, Paco Britto, que isenta 81 remédios do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS).

"Eu realmente fico muito feliz com essa atitude do governador Ibaneis porque, além de lidar com essa doença traiçoeira, o paciente de câncer tem que arcar com os altos custos das medicações. A economia se dá em duas vias, essa medida alivia os custos para pacientes e para o próprio governo que também precisa comprar os medicamentos para tratar a população", explica Robério.

Recentemente, em março deste ano, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) aprovou convênios garantindo a alguns produtos a isenção, que já havia sido autorizada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). O pedido de homologação foi encaminhado ao Legislativo pelo governador Ibaneis Rocha. Lá, os projetos de decreto foram aprovados por unanimidade pelos 18 distritais presentes à sessão.

A partir de agora, pacientes que comprarem medicamentos para tratamento de câncer pagarão menos. Foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira (20) o decreto do governador em exercício, Paco Britto, que isenta 81 remédios do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS).

Além de beneficiar o consumidor final, a lei vai baratear também os custos para o próprio Governo do Distrito Federal (GDF) na compra dos remédios – muitos usados na rede pública de saúde. "São medicamentos extremamente importantes para os pacientes e não podem faltar na casa ou no hospital para que o tratamento contra a doença seja eficaz", lembra Paco Britto. "Não há perda na arrecadação, mas ganho na garantia da vida, da saúde e do bem-estar da população", completa.

Em março deste ano, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) aprovou convênios garantindo a alguns produtos a isenção, que já havia sido autorizada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). O pedido de homologação foi encaminhado ao Legislativo pelo governador Ibaneis Rocha. Lá, os projetos de decreto foram aprovados por unanimidade pelos 18 distritais presentes à sessão.

"A medida também vai representar economia de recursos públicos e melhoria no atendimento de quem depende do SUS"Osnei Okumoto, secretário de Saúde

A renúncia de receita por parte do Executivo com a comercialização desses insumos até 2023 ultrapassa a casa dos R$ 5 milhões. "É mais uma medida importante que o governo adota", enfatiza o secretário de Economia, André Clemente. "O governo abre mão de uma receita, mas amplia o acesso da população a esses medicamentos ao reduzir os custos para o cidadão", explica.

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, lembra que a isenção do imposto é justa, por aumentar a esperança de cura de milhares de brasileiros que lutam contra o câncer. A decisão, pontua o gestor, garante benefícios ao paciente, que passa a ter mais facilidade de obter medicamentos, ao mesmo tempo em que barateia custos de aquisição para a rede pública. "A medida também vai representar economia de recursos públicos e melhoria no atendimento de quem depende do SUS", reforça.
Compartilhar:

Paulo Melo

Comente:

0 comentários

Boazinhas