Deputado encaminhou pedido via ofício ao governador Ibaneis justificando a necessidade de vacinar os jovens com epilepsia

Foto: Rogério Lopes.

O vice-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), deputado Delmasso (Republicanos), solicitou ao governador Ibaneis Rocha que inclua os adolescentes com epilepsia na fila de prioridade de vacinação, conforme calendário publicado no site da Secretaria de Estado de Saúde. A demanda surgiu após pacientes relatarem que tiveram o devido atendimento no sistema de saúde por não terem sido vacinados.

"A epilepsia não tem cura, mas pode ser tratada com medicações avançadas, quando o diagnóstico é precoce e o tratamento adequado, as pessoas com epilepsia tem a oportunidade de levar uma vida com qualidade", disse Delmasso. O SUS oferece a medicação para os pacientes que não possuem condições de adquirir, porém é preciso manter atendimento recorrente para renovar o diagnóstico.

O gabinete do Deputado Delmasso tem recebido relatos de pacientes adolescentes que não estão recebendo o devido tratamento, pois ainda não foram vacinados. Nesse sentido, para evitar que esses pacientes fiquem sem atendimento e medicamento, é preciso colocá-los na fila de prioridade da vacinação.

"Os adolescentes com epilepsia do DF devem ser priorizados na vacinação pela vulnerabilidade que apresentam. Por conta da doença, eles sofrem com convulsões, atividade desordenada, movimentos descontrolados e por isso precisam, com certa frequência, ir a hospitais e consultas. Esses adolescentes não podem ficar sem medicação ou consultas por não terem recebido a vacina contra a Covid-19", reforçou o parlamentar.

Caso haja omissão do poder público nesse quesito, esses adolescentes terão negado o seu direito básico de acesso universal ao sistema público de saúde. Não se pode negar a esses jovens que sejam atendidos e recebam sua medicação. Se o caminho para que sejam plenamente atendidos é a vacinação contra o novo coronavírus, é preciso tratar o assunto com urgência.
Compartilhar:

Eduardo Santos

Comente:

0 comentários

Boazinhas