O Fluminense foi ao Beira Rio com ganso no time e como não sabe marcar, o sistema defensivo ficou mais frágil


Por Raimundo Ribeiro

Antes dos 10 minutos o Internacional fez 1x0 numa bola alçada na área que ninguém do meio campo sequer tentou interceptar, encontrando um buraco enorme no meio da defesa e Edenilson não teve qualquer dificuldade de abrir o marcador.

O time continuou jogando errado, com marcação só no campo defensivo e pior, marcando a distância,  permitindo que o adversário receba a bola, pense o que fazer e ataque nosso time.

O time não tem esquema planejado para se defender,  para atacar, para dar velocidade, para controlar o jogo, enfim entra em campo totalmente descomprometido com o que acontece em campo. Se ganhar,  tá bom,  se empatar também e se perder, a culpa é dos outros.

É importante destacar que o time entrou com 3 cabeças de área e a criatividade por conta do ganso,  e ainda assim o sistema defensivo ficou cheio de buracos e nenhuma criatividade.

Óbvio que essa besteira não corria o risco de dar certo e no final do primeiro tempo,  os cabeças de área resolveram atacar e André deu um lindo passe em profundidade para o Yago empatar o jogo.

Como se vê,  para ganhar,  basta atacar, só falta o Roger entender isso, mas como o Fluminense hoje é um monstrengo sem cabeça (Não tem presidente,  diretor de futebol,  coordenador,  etc), resta que algum amigo do Roger diga isso pra ele.

Começa o segundo tempo com os 2 times precisando atacar,  pois só a vitória interessava.

Aos 7 minutos, após 3 anos no Fluminense,  o ganso conseguiu fazer o que se espera dele: deu um passe em profundidade que levou perigo ao adversário.

Após perder duas boas oportunidades,  mesmo com 3 cabeças de área e 4 defensores,  o adversário faz 2x1 noutro cruzamento que ninguém marcou o adversário.

Roger esperou 35 minutos do 2o. tempo para fazer as substituições e pra variar,  mudou errado.

Tirou o melhor em campo (yago), Luiz Henrique e Martinelli colocando Nenê,  Mateus Martins e JK.

Sem que tenha sido pelas substituições,  encontramos o empate numa jogada inteligente do Egídio (Como pode?) que deixou Nino na cara do gol para empatar.

Aí Roger foi rápido e tirou ganso e Abel para colocar Bobadila e Welington (?), isto é,  voltou a 3 cabeças de área que nos levava a derrota e pior, 1 deles o Welington que não joga nada.

Satisfeitissimo com o empate,  Roger esperava o fim do jogo, mas o adversário,  ante mais essa covardia do Roger,  atacou mais e aos 48 marcou da mesma forma que tinha marcado os outros 2 gols, isto é,  com 3 cabeças de área, o adversário vai a linha de fundo e sem nenhuma resistência (cadê os cabeças de área e o lateral?), cruza e Edenilson faz o terceiro gol.

No lance seguinte,  num contra ataque,  com a defesa toda esburacada, o velho Paolo Guerrero (ele mesmo, com 484 anos de idade puxou um contra ataque) e fez o 4x2.

Resultado justo, fruto exclusivamente de um treinador que está há quase 1 ano e não conseguiu dar um padrão de jogo mínimo ao time, que não sabe se defender e muito menos atacar, e que não consegue utilizar os treinamentos(se é que fazem), para corrigir os erros técnicos inimagináveis em jogadores profissionais (passes errados de 2 metros, atacante que não sabe chutar,  time que não consegue virar o jogo, etc.).

Mais uma vergonha que os números explicam: estamos a 2 pontos do rebaixamento, com 17 pontos em 15 jogos,  ao lado do Cuiabá, com aproveitamento de 37%, tendo feito 12 gols(menos de 1 por jogo) e 17 sofridos (Mais de 1 por jogo).
É isso que Mário Bitencourt,  Paulo Angione e Roger tem a oferecer ao Fluminense.

Criem vergonha e vão embora,  seus incompetentes.

Agora, resta rezar para que quinta-feira feira,  no Equador,  a camisa do Fluminense,  apesar desses caras,  jogue e vença o Barcelona de Guayaquil.

Bora FLUZÃO!

*Raimundo Ribeiro é apaixonado por futebol e naturalmente tricolor.

Compartilhar:

Walter Brito

Comente:

0 comentários

Boazinhas