Quando imaginamos um canteiro de obras, vem à mente um espaço cheio de trabalhadores, com montes de areia e pedra, madeira, entulho e bagunça. Mas atualmente, técnicas mais modernas de construção transformam essa realidade em outra mais limpa e organizada. Uma dessa técnicas da construção civil moderna é o uso de estruturas metálicas (fôrmas) para concreto, utilizadas pela Rottas Construtora e Incorporadora, uma das pioneiras em usar o sistema construtivo na construção de casas e tem oito obras projetadas com fôrmas.

Os benefícios são incontáveis segundo o gerente de engenharia da Rottas, Rodrigo Cardoso. Ele explica que as fôrmas são produzidas de acordo com os projetos da construtora e que permitem ciclos diários de concretagem, o que otimiza a obra. “É uma rotina diferente da construção tradicional, pois os profissionais também trabalham em um dinâmica diferente”, explica.

De acordo com Cardoso, as fôrmas de aço são aliadas do meio ambiente à medida que reduzem o entulho nos canteiros de obras, economizam água, energia elétrica e madeira, por exemplo.

“A utilização deste sistema também proporciona um canteiro de obras mais limpo e organizado. Reduz significativamente o tempo de mão de obra da montagem, da desmontagem e o aumenta em mais de mil por cento o ciclo de reaproveitamento do sistema”, destaca o engenheiro.

Mil por cento porque a vida útil do sistema construtivo é muito superior a vida útil da madeira, usada em caixarias da construção tradicional. A madeira pode ser reutilizada até 15 vezes, já a estrutura metálica pode ter até 1.200 reutilizações.

Menos desperdício
Como a estrutura metálica é totalmente pré-fabricada, fica mais fácil organizar o canteiro de obras. Com esta técnica não existe a necessidade de depósitos de areia, brita, cimento, madeiras e ferragens, por exemplo, o que reduz o desperdício de materiais, gerando menos entulho e colaborando com um ambiente mais limpo. Outra vantagem é que com o ambiente mais limpo, também há redução de acidentes de trabalho na obra.

Como funciona a construção tradicional

No processo da engenharia tradicional, na obra uma casa os passos principais são a fundação (onde se usa madeira). Feito o alicerce, começa a concepção da estrutura da casa, ou seja, o início da alvenaria.

Nesta etapa, o primeiro passo é erguer as paredes por meio do assentamento de tijolos/blocos. Aí vem a armação dos pilares para reforçar as paredes e os reforços de aço e concreto na área de portas e janelas para evitar trincas.

Espera secar, o que vai depender das condições climáticas. Depois, a laje é montada, escorada, armada e concretada. Todo esse procedimento é longo.

A cura da laje dura aproximadamente sete dias. Nesse tempo, o concreto precisa ser molhado para evitar o surgimento de trincas. Depois, é feita a retirada do escoramento (cerca de 15/20 dias após a concretagem da laje).

Depois tem o acabamento bruto, que é realizado em três etapas principais: chapisco – a parte em que as paredes são cimentadas com uma fina camada de argamassa; emboço, que é o revestimento geral da alvenaria com uma mistura de cimento, cal e areia e o piso, com o nivelamento e regularização da superfície por meio da aplicação da argamassa de cimento com areia.

Como funciona a construção com o sistema de fôrmas

Em apenas 12 dias é possível ter uma casa pronta neste sistema construtivo. Após o preparo, começa a montagem das fôrmas metálicas.

Terminada a montagem das fôrmas, os alinhadores horizontais e verticais são posicionados em um dos lados da fôrma e os aprumadores. Depois disso, é feita a limpeza do local e na sequência acontece a concretagem.

Em seguida, acontece a limpeza da parte de trás das fôrmas e a parte de trás dos painéis de fôrma precisam ser lavadas para evitar que o concreto endureça, dificultando a limpeza e manutenção para o próximo uso.

As formas metálicas garantem também um bom acabamento, pois a parede fica com apenas uma única linha quase imperceptível “carimbada”, exatamente no encontro dos painéis de fôrma, consequentemente reduzindo a necessidade de mão de obra de acabamento.

Normalmente, dependendo da espessura da parede, é possível desformar em 24 horas após a concretagem e isso é feito de maneira simples e rápida. Após a remoção de todos os itens, o painel é removido da parede. É importante limpar a face de contato do painel. A aplicação do desmoldante é feita logo em seguida à limpeza e após a realização desse procedimento, as fôrmas metálicas estão prontas para serem usadas novamente.

Otimização no tempo da obra; tempo é dinheiro
Comparando um sistema com o outro, é possível constatar o ganho de tempo na utilização do segundo sistema. Enquanto a cura de uma obra tradicional demora cerca de 20 dias, com o sistema de fôrmas esse tempo cai para 24 horas.

“Na obra Porto Real, em Guarapuava usamos essa técnica em 390 casas. A obra demorou 1 ano e 6 meses para ser concluída. No método tradicional, esse número de casas levaria pelo menos o dobro de tempo para ser finalizado”, esclarece o engenheiro, reforçando que o descarte de resíduos foi reduzido em 50%.

Outro detalhe que faz a diferença quando o assunto é redução de resíduos é a montagem dos kits hidráulicos e elétricos no “escritório” da obra. “Quando esses kits já vão prontos ao canteiro, temos menos desperdício e mais agilidade na montagem. Com esta técnica construtiva temos menos entulho, menos pessoas trabalhando, menos riscos de acidente no canteiro, ou seja, é uma obra mais limpa e mais enxuta”, pontua o engenheiro.

“Somos preocupados em entregar o melhor para nossos clientes. Por isso, gerenciaos e executamos obras com qualidade buscando a melhoria contínua dos processos, atendendo requisitos de gestão e sustentabilidade, garantindo a satisfação de clientes, colaboradores e sociedade em geral”, afirma.



SOBRE A CONSTRUTORA ROTTAS
om modernas técnicas de construção e gestão de obras, a Rottas Construtora e Incorporadora foi fundada em 2010 pelos engenheiros Paulo Folador e Mario Augusto Stresser, com a proposta de oferecer aos clientes qualidade, planejamento e compromisso com as obras. Com mais de 260 mil m2 construídos, a empresa acumula um portfólio com mais de 5 mil unidades habitacionais, atuando em Ponta Grossa, Guarapuava, Curitiba e região metropolitana. Em julho de 2021, a Rottas foi um dos destaques do 50º Ranking da Engenharia Brasileira, publicado pela Revista O Empreiteiro, na categoria Construtoras, junto a grandes empresas do segmento no país. Em setembro de 2021 a Rottas lança sua nova marca, a Rottas Prime, focada em empreendimentos de médio e alto padrão.

 

 

Compartilhar:

Tania Jeferson

Comente:

0 comentários

Neoenergia

Boazinhas