internet


 Hábitos nocivos à saúde fazem com que homens sejam mais propensos a apresentarem quadros de doenças cardiovasculares

 

A partir dos 40 anos, problemas de coração são algumas das principais causas de morte de homens, ao lado de câncer e diabetes

 

Dados do Ministério da Saúde comprovam o que o cotidiano já revela: homens cuidam menos da saúde do que mulheres. A expectativa de vida deles também se encontra mais de 7 anos abaixo da média delas. Entre as doenças que demandam atenção do público masculino estão as cardiovasculares, que são a principal causa de morte no mundo. Os homens são três vezes mais propensos a esse tipo de complicação, que é a principal causa de morte do gênero masculino no Brasil. Hábitos como abuso de álcool, má alimentação, sedentarismo e tabagismo explicam por que eles estão mais propensos a desenvolver essas doenças.

Esses fatores explicam a predominância desse tipo de mal entre os homens. O cardiologista do Hospital Brasília Vitor Barzilai, explica que, em geral, homens têm uma qualidade de vida inferior à do sexo oposto. “Hábitos prejudiciais à saúde como o tabagismo, sedentarismo, consumo exagerado de alimentos gordurosos e ingestão de grandes quantidades de bebida alcoólica são, em geral, mais comuns em homens. Há alguns anos poderíamos dizer que eles estão mais sujeitos ao estresse, mas a realidade é que tanto homens quanto mulheres estão expostos a situações de estresse”, explica.

Apesar da campanha, é importante entender que infarto não se trata de um problema exclusivo de homens. O especialista aponta que há também um fator protetor da exposição ao estrogênio nas mulheres. É bem definido que mulheres em menopausa têm um maior risco cardiovascular em relação às em idade fértil.

Outro fator que se destaca para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e de outras enfermidades é o comportamento dos homens em relação à própria saúde. “Os homens não têm costume de ir ao médico periodicamente. Só vão quando já apresentam sintomas graves e geralmente quando o procedimento para tratar as doenças já é mais complexo. Isso sem falar na forma como cada gênero lida com estresse diário. O cuidado com a saúde mental reflete diretamente na saúde física”, pondera o cardiologista.

Por fim, Dr. Vitor Barzilai alerta que é importante entender que boa parte dos eventos cardiovasculares como infarto e AVC são evitáveis. Bons hábitos de vida são a melhor forma de se prevenir eventos precoces - antes dos 40 anos. “Para viver bem e bastante, a recomendação é abandonar o sedentarismo, manter uma alimentação equilibrada, diminuir o consumo de álcool, buscar por cuidados preventivos com a saúde além cuidar da saúde mental para desenvolver ferramentas saudáveis para lidar com o estresse e as pressões do cotidiano”, finaliza o médico. 



Compartilhar:

Pollyana Cabral Jornalista

Comente:

0 comentários

Neoenergia

Boazinhas